Voz de Gonzaguinha, que faria 75 anos, ecoa através de obra inoxidável

Gonzaguinha faria 75 anos nesta quarta-feira, 22 de setembro — Foto: Arte de Elifas Andreato

♪ Nem sempre Luiz Gonzaga do Nascimento Júnior (22 de setembro de 1945 – 29 de abril de 1991) foi visto com um sorriso nos lábios, como na ilustração acima, criada pelo artista visual Elifas Andreato. Muitas vezes Gonzaguinha – como ficou popularmente conhecido nos anos 1970 e 1980 esse cantor e compositor carioca – fechou a cara como forma de contestação.

De natureza indomada, o artista fechou a cara na vida – o que lhe rendeu desafetos e injustiças – e na obra que ainda pulsa, relevante, quase 30 anos após a precoce saída de cena do artista.

A morte impediu Gonzaguinha de chegar aos 75 anos, que poderiam estar sendo festejados nesta quarta-feira, 22 de setembro de 2020. Se vivo fosse, talvez o artista fizesse hoje uma live com as presenças de algumas das muitas cantoras que lhe deram voz.

Maria Bethânia, Simone, Joanna, Nana Caymmi, Ângela Maria (1929 – 2018), Gal Costa, Marisa Gata Mansa (1938 – 2003)… É difícil apontar uma cantora da MPB que nunca tenha gravado música de Gonzaguinha entre 1978 e 1986. Algumas, como Leila Pinheiro e Selma Reis (1958 – 2015), dedicaram posteriormente álbuns ao cancioneiro de Gonzaguinha, assim como Emilio Santiago (1946 – 2013).

A obra de Gonzaguinha vem atravessando gerações. Sambas como Comportamento geral (1972) e É (1988) são de impressionante atualidade.

Antes de entregar o romantismo que tentou conter, Gonzaguinha fez músicas que, por entre as frestas do sombrio Brasil dos anos 1970, afirmavam que a gente não tem cara de panaca. O cantor soube dar voz ao desenredo dessa escola Unidos do Pau Brasil que vem atravessando o samba. Voz que se levantou contra a opressão. Voz que jamais se calou ou foi calada.

Contudo, sempre acreditando na rapaziada que segue em frente, Gonzaguinha foi enternecendo a obra sem perder a dureza necessária para encarar o Brasil.

Há quem prefira o romantismo derramado em Lindo lago do amor (1984) e em Mamão com mel (1985). Ou as exaltações da vida que se faz feliz nas odes da canção Maravida (1981) e do samba O que é o que é (1982). Há quem prefira as canções políticas. Umas e outras são inoxidáveis.

Impregnada do suor dos corpos, a obra de Gonzaguinha inclui muitas grandes composições que resistem esplendidamente ao passar dos anos sem perda do viço poético, validando o clichê de que, se a vida é breve, e a da Gonzaguinha foi curta demais, a arte é longa e desafia o tempo. A voz de Luiz Gonzaga do Nascimento Júnior ainda ecoa no Brasil de 2020.

TOPO

G1 Por Mauro Ferreira

Jornalista carioca que escreve sobre música desde 1987, com passagens em ‘O Globo’ e ‘Bizz’. Faz um guia para todas as tribos